Estreia do estúdio Nougalli + Serai em Portugal

  • Fotografia Design em Lisboa

A Nougalli + Serai surge a partir de uma colaboração que quer criar ambientes contemporâneos, sempre pensados em direção ao conforto. As duas arquitetas orgulham-se de entregar em 2024 o seu primeiro projeto internacional, em Cascais.

Design em Lisboa: O que despertou o vosso interesse em design de interiores?

Nougalli + Serai: Desde muito nova que me interesso pelas áreas ligadas à estética e funcionalidades da casa. Lembro-me de que desde cedo que gostava de participar nas escolhas de mobiliário da casa como um todo. Esta curiosidade levou-me a procurar o curso de arquitetura, mas o design de interiores sempre foi o que mais me apaixonou. Tive a oportunidade de estagiar em grandes escritórios em São Paulo e compreender que este era o caminho que gostaria de seguir.

DL: Como definiriam o vosso trabalho?

N+S: Se tivesse de identificar um estilo diria que é o contemporâneo. Porém, há sempre a intenção de criar conforto em todos os ambientes, através da combinação de mobiliário novo e detalhes de peças de design vintage, assim como objetos e obras de arte. Para nós é muito interessante contar a história das famílias em cada projeto, utilizando peças pessoais e refletindo a sua personalidade na casa onde vão morar. 

DL: O que procuram alcançar quando começam um novo projeto?

N+S: O principal para nós é a felicidade do cliente. E com a experiência de aproximadamente quinze anos de trabalho em design de interiores, sabemos que existem algumas posturas fundamentais para concluir o projeto de forma a que o cliente fique feliz e se crie uma relação de continuidade. Saber ler as necessidades de cada família, acompanhar todas as etapas de perto, cumprir prazos prometidos e poupá-los de problemas de obra são passos essenciais em cada projeto, importantes para alcançar este sucesso na entrega.

DL: Onde procuram e encontram inspiração?

As nossas inspirações vêm de diversos lugares – desde livros a exposições de arte, mostras de decoração e principalmente, através de viagens. Acreditamos que viajar nos faz estar atentas às novidades e inspirações num mood mais relaxado, e conseguirmos assim observar detalhes que num ritmo mais acelerado de trabalho do dia a dia, talvez passassem despercebidos.

DL: Quais são as vossas maiores referências estéticas?

N+S: Construções de arquitetos nacionais e internacionais que admiro. Os hotéis são sempre interessantes de visitar e analisar cada detalhe da construção, acabamentos, escolhas de mobiliário e decoração. Em cidades onde descobrimos hotéis interessantes, costumamos pedir um tour para conhecer, mesmo sem ficarmos hospedadas! Hoje é um dos nossos hobbies em viagens!

DL: Que designers admiram, e porquê?

N+S: Vou enumerar alguns designers brasileiros atuais: Marcio Kogan, Bernardes Arquitetura, Patrícia Anastasiades, Isay Weinfeld, Arthur Casas, Dado Castello Branco.

DL: Como descreveriam este projeto?

N+S: Este projeto foi extremamente especial! Foi o primeiro projeto internacional do nosso escritório e para uma família muito querida que confiou 100% em nós e nossas indicações. É uma casa para férias de uma família de cinco pessoas que procuravam um espaço com privacidade e, ao mesmo tempo, queriam ambientes para estarem próximos e confortáveis. O objetivo foi atingido! 

DL: Qual foi o maior desafio?

N+S: Acredito que o único desafio deste projeto tenha sido lidar com as paralisações de obra e entregas durante a pandemia. Esta fase de incerteza deixou-nos ansiosos e inseguros. Mas, com paciência e compreensão do momento que estávamos a viver, tudo se foi resolvendo para conseguirmos concluir e atingir nosso objetivo principal, que é ver os clientes felizes e a aproveitar a nova casa!

O projeto explora, de forma subtil, contrastes de formas, cores e texturas. Como consegue alimentar a sua criatividade e imaginação e, ao mesmo tempo, pensar uma casa para outra pessoa morar?

Gostamos de ambientes leves e fluidos, principalmente quando se trata de uma casa numa  região de praia e de famílias com crianças. Acreditamos que todos os ambientes são para ser vividos por toda família. As nossas sugestões sempre são pensadas para a convivência.

E sim, combinar as formas dos móveis e as suas geometrias, traz para o espaço uma sensação de organização e fluidez. Gostamos de bases neutras com alguma tonalidade em obras de arte, poltronas, objetos e peças menores mas eventualmente “ousamos” com itens maiores com cor!

DL: Como chegaram até à QuartoSala?

N+S: Conhecemos a QuartoSala desde a primeira saída em lojas com clientes, que inclusive nos apresentaram a loja. Gostámos muito do serviço e, além disso, trabalham com as marcas que mais gostamos.

DL: Quais são as vossas marcas de eleição dentro do portfólio da QuartoSala e o que consideraram importante no serviço que a QuartosSala disponibiliza para profissionais?

N+S: As nossas marcas favoritas dentro da QuartoSala são a Minotti, Flexform, Poliform, Jader Almeida, B&B Italia e Maxalto.  E sobre o serviço vemos um diferencial no cuidado e atenção. A experiência com clientes e escritórios brasileiros são importantes. Aqui encontramos a excelência que procuramos, principalmente quando estamos fora do nosso país.

DL: Que peças da QuartoSala levariam para um próximo projeto?

N+S: Muitas! Neste momento estamos a trabalhar num novo projeto em Cascais e fizemos muitas escolhas na QuartaSala. Nós (e a cliente) ficamos encantamos com muitas peças da Minotti que vão ter protagonismo neste projeto.

DL: Quais são as principais diferenças entre trabalhar na Europa e no Brasil? E entre Paris e Lisboa?

N+S: Entre a Europa e Brasil acreditamos que o que mais diferencia são a leis de construção e aprovações até a obra começar. Na Europa este processo é mais lento. No entanto, a partir do momento que começa a obra, o projeto está finalizado e sem possibilidades de alterações, o que faz com que a construção em si seja mais rápida. Na parte de empresas de marcenaria sob medida percebemos que o Brasil está um passo à frente. Sentimos muita dificuldade neste setor em Portugal. Porém, em questões de mobiliário e decoração estamos muito bem servidos em ambos!

Entre Paris e Lisboa sentimos algumas diferenças, mas nada muito significativo em termos de trabalho. Ambas as cidades oferecem showrooms muito interessantes com móveis novos e também uma vasta opção de móveis antigos. Cada cidade com o seu charme e  a sua história!

DL: Como é que Lisboa influenciou o vosso trabalho?

N+S: Para este projeto em especifico, apesar dos clientes serem brasileiros, procuramos trazer referências de Lisboa em alguns detalhes, como as loiças e obras de arte, por exemplo. Conhecemos a cidade através deste projeto e foi muito interessante explorar um lugar novo para conhecer referências que não serviram apenas para este projeto em especifico, mas também para outros que realizámos no Brasil.

DL: Que memória importante levam convosco?

N+S: Foram muitos momentos especiais. Desde a apresentação do projeto aos clientes à alegria deles quando viram os primeiros desenhos e se imaginaram naquela casa; as visitas para escolha de móveis e, principalmente a produção final para as fotos. Nós, arquitetos, sabemos o quão difícil é finalizar um projeto totalmente para conseguirmos finalmente fotografá-lo para o nosso portfólio. É necessário que tudo esteja exatamente no lugar, com quadros pendurados e flores nos vasos. Quando conseguimos, este é sim o momento mais especial!

DL: O que mais valorizam nesta sua experiência de um projeto em Lisboa? Voltariam a trabalhar na cidade?

N+S: A oportunidade de realizar um projeto internacional é um privilegio em muitos sentidos. Mas valorizamos principalmente o desafio das diferenças culturais, que são enriquecedoras. A possibilidade de conhecer novos fornecedores, novas técnicas de construção, outras formas de trabalhar, agrega muito valor para nós, a nível pessoal e profissionalmente.

O Nougalli + Serai surge em 2020 através de uma parceria entre as arquitetas brasileiras Isabella Serai e Raísa Nougalli. Depois de trabalharem em alguns dos mais relevantes estúdios de arquitetura em São Paulo, onde se conheceram, alinharam-se nos seus valores e referências estéticas, confirmando a sua complementaridade na forma de trabalhar. 

Com um estilo moderno que tem em conta cada detalhe, o estúdio Nougalli + Serai destaca-se pela arquitetura intemporal. A intenção de criar ambientes acolhedores e confortáveis é notável nos seus projetos.

O escritório trabalha segundo um conceito de boutique, em que tudo é realmente pensado pelas arquitetas, pessoalmente, dando atenção às necessidades e desejos dos clientes e guiando-os para construírem juntos um projeto que celebra a individualidade de cada um, mas que também imprime a identidade do estúdio. 

Estreia do estúdio Nougalli + Serai em Portugal

  • Fotografia Design em Lisboa

A Nougalli + Serai surge a partir de uma colaboração que quer criar ambientes contemporâneos, sempre pensados em direção ao conforto. As duas arquitetas orgulham-se de entregar em 2024 o seu primeiro projeto internacional, em Cascais.

Design em Lisboa: O que despertou o vosso interesse em design de interiores?

Nougalli + Serai: Desde muito nova que me interesso pelas áreas ligadas à estética e funcionalidades da casa. Lembro-me de que desde cedo que gostava de participar nas escolhas de mobiliário da casa como um todo. Esta curiosidade levou-me a procurar o curso de arquitetura, mas o design de interiores sempre foi o que mais me apaixonou. Tive a oportunidade de estagiar em grandes escritórios em São Paulo e compreender que este era o caminho que gostaria de seguir.

DL: Como definiriam o vosso trabalho?

N+S: Se tivesse de identificar um estilo diria que é o contemporâneo. Porém, há sempre a intenção de criar conforto em todos os ambientes, através da combinação de mobiliário novo e detalhes de peças de design vintage, assim como objetos e obras de arte. Para nós é muito interessante contar a história das famílias em cada projeto, utilizando peças pessoais e refletindo a sua personalidade na casa onde vão morar. 

DL: O que procuram alcançar quando começam um novo projeto?

N+S: O principal para nós é a felicidade do cliente. E com a experiência de aproximadamente quinze anos de trabalho em design de interiores, sabemos que existem algumas posturas fundamentais para concluir o projeto de forma a que o cliente fique feliz e se crie uma relação de continuidade. Saber ler as necessidades de cada família, acompanhar todas as etapas de perto, cumprir prazos prometidos e poupá-los de problemas de obra são passos essenciais em cada projeto, importantes para alcançar este sucesso na entrega.

DL: Onde procuram e encontram inspiração?

As nossas inspirações vêm de diversos lugares – desde livros a exposições de arte, mostras de decoração e principalmente, através de viagens. Acreditamos que viajar nos faz estar atentas às novidades e inspirações num mood mais relaxado, e conseguirmos assim observar detalhes que num ritmo mais acelerado de trabalho do dia a dia, talvez passassem despercebidos.

DL: Quais são as vossas maiores referências estéticas?

N+S: Construções de arquitetos nacionais e internacionais que admiro. Os hotéis são sempre interessantes de visitar e analisar cada detalhe da construção, acabamentos, escolhas de mobiliário e decoração. Em cidades onde descobrimos hotéis interessantes, costumamos pedir um tour para conhecer, mesmo sem ficarmos hospedadas! Hoje é um dos nossos hobbies em viagens!

DL: Que designers admiram, e porquê?

N+S: Vou enumerar alguns designers brasileiros atuais: Marcio Kogan, Bernardes Arquitetura, Patrícia Anastasiades, Isay Weinfeld, Arthur Casas, Dado Castello Branco.

DL: Como descreveriam este projeto?

N+S: Este projeto foi extremamente especial! Foi o primeiro projeto internacional do nosso escritório e para uma família muito querida que confiou 100% em nós e nossas indicações. É uma casa para férias de uma família de cinco pessoas que procuravam um espaço com privacidade e, ao mesmo tempo, queriam ambientes para estarem próximos e confortáveis. O objetivo foi atingido! 

DL: Qual foi o maior desafio?

N+S: Acredito que o único desafio deste projeto tenha sido lidar com as paralisações de obra e entregas durante a pandemia. Esta fase de incerteza deixou-nos ansiosos e inseguros. Mas, com paciência e compreensão do momento que estávamos a viver, tudo se foi resolvendo para conseguirmos concluir e atingir nosso objetivo principal, que é ver os clientes felizes e a aproveitar a nova casa!

O projeto explora, de forma subtil, contrastes de formas, cores e texturas. Como consegue alimentar a sua criatividade e imaginação e, ao mesmo tempo, pensar uma casa para outra pessoa morar?

Gostamos de ambientes leves e fluidos, principalmente quando se trata de uma casa numa  região de praia e de famílias com crianças. Acreditamos que todos os ambientes são para ser vividos por toda família. As nossas sugestões sempre são pensadas para a convivência.

E sim, combinar as formas dos móveis e as suas geometrias, traz para o espaço uma sensação de organização e fluidez. Gostamos de bases neutras com alguma tonalidade em obras de arte, poltronas, objetos e peças menores mas eventualmente “ousamos” com itens maiores com cor!

DL: Como chegaram até à QuartoSala?

N+S: Conhecemos a QuartoSala desde a primeira saída em lojas com clientes, que inclusive nos apresentaram a loja. Gostámos muito do serviço e, além disso, trabalham com as marcas que mais gostamos.

DL: Quais são as vossas marcas de eleição dentro do portfólio da QuartoSala e o que consideraram importante no serviço que a QuartosSala disponibiliza para profissionais?

N+S: As nossas marcas favoritas dentro da QuartoSala são a Minotti, Flexform, Poliform, Jader Almeida, B&B Italia e Maxalto.  E sobre o serviço vemos um diferencial no cuidado e atenção. A experiência com clientes e escritórios brasileiros são importantes. Aqui encontramos a excelência que procuramos, principalmente quando estamos fora do nosso país.

DL: Que peças da QuartoSala levariam para um próximo projeto?

N+S: Muitas! Neste momento estamos a trabalhar num novo projeto em Cascais e fizemos muitas escolhas na QuartaSala. Nós (e a cliente) ficamos encantamos com muitas peças da Minotti que vão ter protagonismo neste projeto.

DL: Quais são as principais diferenças entre trabalhar na Europa e no Brasil? E entre Paris e Lisboa?

N+S: Entre a Europa e Brasil acreditamos que o que mais diferencia são a leis de construção e aprovações até a obra começar. Na Europa este processo é mais lento. No entanto, a partir do momento que começa a obra, o projeto está finalizado e sem possibilidades de alterações, o que faz com que a construção em si seja mais rápida. Na parte de empresas de marcenaria sob medida percebemos que o Brasil está um passo à frente. Sentimos muita dificuldade neste setor em Portugal. Porém, em questões de mobiliário e decoração estamos muito bem servidos em ambos!

Entre Paris e Lisboa sentimos algumas diferenças, mas nada muito significativo em termos de trabalho. Ambas as cidades oferecem showrooms muito interessantes com móveis novos e também uma vasta opção de móveis antigos. Cada cidade com o seu charme e  a sua história!

DL: Como é que Lisboa influenciou o vosso trabalho?

N+S: Para este projeto em especifico, apesar dos clientes serem brasileiros, procuramos trazer referências de Lisboa em alguns detalhes, como as loiças e obras de arte, por exemplo. Conhecemos a cidade através deste projeto e foi muito interessante explorar um lugar novo para conhecer referências que não serviram apenas para este projeto em especifico, mas também para outros que realizámos no Brasil.

DL: Que memória importante levam convosco?

N+S: Foram muitos momentos especiais. Desde a apresentação do projeto aos clientes à alegria deles quando viram os primeiros desenhos e se imaginaram naquela casa; as visitas para escolha de móveis e, principalmente a produção final para as fotos. Nós, arquitetos, sabemos o quão difícil é finalizar um projeto totalmente para conseguirmos finalmente fotografá-lo para o nosso portfólio. É necessário que tudo esteja exatamente no lugar, com quadros pendurados e flores nos vasos. Quando conseguimos, este é sim o momento mais especial!

DL: O que mais valorizam nesta sua experiência de um projeto em Lisboa? Voltariam a trabalhar na cidade?

N+S: A oportunidade de realizar um projeto internacional é um privilegio em muitos sentidos. Mas valorizamos principalmente o desafio das diferenças culturais, que são enriquecedoras. A possibilidade de conhecer novos fornecedores, novas técnicas de construção, outras formas de trabalhar, agrega muito valor para nós, a nível pessoal e profissionalmente.

O Nougalli + Serai surge em 2020 através de uma parceria entre as arquitetas brasileiras Isabella Serai e Raísa Nougalli. Depois de trabalharem em alguns dos mais relevantes estúdios de arquitetura em São Paulo, onde se conheceram, alinharam-se nos seus valores e referências estéticas, confirmando a sua complementaridade na forma de trabalhar. 

Com um estilo moderno que tem em conta cada detalhe, o estúdio Nougalli + Serai destaca-se pela arquitetura intemporal. A intenção de criar ambientes acolhedores e confortáveis é notável nos seus projetos.

O escritório trabalha segundo um conceito de boutique, em que tudo é realmente pensado pelas arquitetas, pessoalmente, dando atenção às necessidades e desejos dos clientes e guiando-os para construírem juntos um projeto que celebra a individualidade de cada um, mas que também imprime a identidade do estúdio.